Floresta de Sangue

11 04 2009

Revista Latitude (Hangar) - Janeiro de 2009

@Revista Latitude (Hangar) - Janeiro de 2009

Floresta de Sangue – O aroma
Ainda detém-se entre os arbustos lavados.
De um ramo a outro recompõe-se amarelo o segredo: ORAR
jogar pedras
palavras para o céu
para proteger-me.
E infundir silêncio nesta mão de madeira escrevendo o caminho.
Caminho por ti.
Caminho no tomo sombrio de uma bibliografia nervosa.
Tua frente é o que sabe melhor o não dito
(de onde segue este rio e a noite obediente)
Colocaram uma estrela trágica no vinho do beijo,
no fôlego com o beijo, na tua boca do cântico
dos cânticos
deste anos.
O tempo cavou o milagre do tempo e do ritmo. A língua
foi a origem do mundo. À Rainha-mãe da água e das ondas,
do poema do aroma.
E à dissolução do amor na debulha dos grãos.
Do zênite da boca ao papel suado da terra
crescem os mamilos da rosa. Arfam as pétalas sanguíneas.
Na messe do outono do galo o aroma desmaia.
Dói-me feliz o que ainda ignoro – diante de ti.
MAX MARTINS
——————————————————————————————————————–
Créditos do Editorial
Direção: Gil Yonezawa
Fotografia: Jaime Souzza
Styling: Fernando Hage
Beleza: Conny Clever
Roupas: Associação Costamazônia
Assistentes: Ana Carolina Palmeira e Luciana David
Modelos (seq.): Camila D’Macedo e Ana Luiza Maroja
Publicado na Revista Latitude. Número 05. Janeiro de 2009. Belém (PA).




Floresta de Sangue

2 03 2009

Foto de Gil Yonezawa

Foto do making-of do editorial “Floresta de Sangue”, realizado em janeiro desse ano para a Revista Latitude, do Hangar (Centro de Convenções da Amazônia). Floresta de Sangue é o nome de um poema de Max Martins, que inspirou a composição com os looks da Associação Costamazônia. Max Martins, aos 82 anos, infelizmente faleceu no dia 09 de fevereiro de 2008.

Este trabalho, publicado em janeiro, antecedeu uma homenagem, do seu jeito, há uma grande figura da poesia moderna na Amazônia.

Na foto: a modelo Ana Luiza Maroja e eu(zinho) ao fundo.
A produção da história foi do Gil Yonezawa e eu fiquei com o styling.