Gostosas Coincidências: Amarração de Moletom

28 01 2010

Alguns acham cafona, outros acham prático, mas é certo que não tem truque melhor no inverno do que amarrar o moletom na cintura quando o calor aumenta ou quando a gente entra em algum lugar mais quente. Acontece que nessa temporada esse truque da amarração já foi direto pra roupa. Quem usou e abusou (até demais) desse tipo de modelagem foi a Amapô (foto 01), que vez a maioria das peças do desfile com uma amarração abaixo da cintura. Mas longe de ser a única, também achei essa amarração na Giulia Borges (foto 02), só que um pouco mais acima da cintura. O curioso, nos dois desfiles, é que parece manga mesmo (com direito a punho e tudo).

Fiquei tão fissurado nessa gostosa coincidência, que  também achei que na Triton (foto abaixo) essa modelagem tinha aparecido, mas ainda acho que é apenas um cardigan amarrado na cintura, com direito a mão no bolso e tudo.

Fotos: Portal FFW





FashionRio – Sapatos do Verão 2010

13 06 2009

Melk Z-Da, Auslander, Juliana Jabour, Cantão, Giulia Borges e Apoena.

 

 

Melk Z-DaAusländerJuliana JabourCantãoGiulia BorgesApoena





FashionRio – Estampas do Verão 2010

12 06 2009

O FashionRio acabou nesta última quarta. Acompanhei alguns desfiles pela TV e internet mas não tive tempo de postar algumas impressões, por isso decidi que, ao invés de falar só das poucas três-quatro marcas que fizeram algo realmente interessante na semana, vou falar do FashioRio através de um prisma: as estampas. Separei os desfiles de 17 marcas e criei um “report” (tô me achando) das apostas de estamparia pro verão 2010, segundo as marcas que desfilaram na semana de moda carioca.

CavendishLennyClaudia SimõesVictor Dzenk

Estampa de mar No verão, nada mais simples do que pensar no mar ou em uma praia, e foi pra isso que muitas marcas olharam para criar suas estampas. A partir de desenhos, a Cavendish (foto 01) fez uma linha mais náutica, e Lenny (foto 02), que parecia mais abstrata, tinha um lindo desenho de uma canoa. Inspirado no movimento da água e dos peixes, Claudia Simões (foto 03) criou a sua estampa com estilo (ou origem) fotográfica, mas quem abusou dessa técnica foi Victor Dzenk (foto 04), que parece ter pego todos os papéis de parede de fundo do mar possíveis para criar uma série de estampas no mínimo cansativas.

TNGTNGEspaço FashionPrinting

Tribal-Animal Ficou bem claro nesta temporada que depois da onda étnica que já toma conta das lojas do país, ninguém quis mais apostar todas as fichas nesse tipo de inspiração, à não ser a TNG (fotos 01 e 02) que se inspirou na Àfrica e mixou animais, florais e desenhos tribais (uiuiui by regina guerreiro). De forma mais tímida, a Espaço Fashion (foto 03) se inspirou no homem primitivo e fez algumas estampas no gênero, como um desenho tribal em fundo pink, além da Printing (foto 04), que fez uma espécie de animal print super chiquérrimo.

Victor DzenkLennyEspaço FashionEspaço Fashion

Tribal em formato clássico É verão, tempo de muita cor, mas fato curioso da temporada foram alguns elementos tribais e étnicos aparecerem em preto e branco, como no desfile de Victor Dzenk (foto 01),  onde a única estampa que não veio de papel de parede era de traços p/b formando desenhos de peixe, e na estampa que eu ainda não decifrei se eram folhas ou ossos da Lenny Niemeyer (foto 02), com uma imagem bem tribal. No caso da Espaço Fashion (fotos 03 e 04), os traços e bichos em preto e branco também compuseram a imagem primitiva almejada pelas estilistas.

ApoenaLuciano CanaleGiulia BorgesRedley

Redondo Retorno No início juro que estranhei um pouco, mas depois de alguns dias percebi que era pra valer, pois pelo menos no FashionRio foi dada a largada ao retorno dos poás. Começou, pelo calendário, na marca Apoena (foto 01), que mixou bolinhas com florzinhas em um desfile bem insoso, mas aí veio a Sta Ephigênia de Luciano Canale (foto 03) fazendo um tratado sobre bolas e poás na passarela que deu o que falar, e a tendência foi confirmada. Tanto que ainda encontramos o delicado trabalho de Giulia Borges (foto 03) em pequenas bolas e o trabalho da Redley (foto 04) com modelagens circulares como mais uma confirmação que esse clássico da moda agora também é item de passarela (será medo de errar?).

Maria Bonita ExtraEspaço FashionRedleyTotem

Pink and Blue Freedom Nessa temporada, as cartelas de cores tinham muito branco, tons de pele, algumas cores ácidas e o cinza, mas na estamparia duas cores que apareceram bem foram o rosa e o azul. Na Maria Bonita Extra (foto 01) teve muito pink e outros tons fortes, e na Espaço Fashion (foto 02) o pink veio misturado ao preto, cinza e chumbo. Já o azul foi o que mais apareceu em todos os desfiles, desde a forma mais acinzentada da Redley (foto 03), passando por imagens de mar, até chegar no mix gráfico da Totem (foto 04).

Espaço FashionClaudia SimõesTêcaCantão

Natureza em Cores A natureza sempre é inspiração maior para muitas estampas, mas pode trazer caminhos diferentes na escolha das cores. No caso dos desfiles da Espaço Fashion (foto 01) e Claudia Simões (foto 02), a pintura rupestre e folhas de vitória régia aparecem em tons escuros e terrosos, que lembram até um pouco mais o inverno, mas como é verão, algumas marcas optam por uma explosão de cores, como no floral da marca Têca (foto 03) e  nas borboletas do desfile da Cantão (foto 04).

Melk Z-DaAlessaAlessa

A vida é um doce Inspirados em sensações completamente diferentes, dois estilistas do FashionRio trouxeram as melhores estampas da temporada. O estilista Melk Z-Da (foto 01) fez talvez o único desfile conceitual do FashionRio, merecia até um post próprio. Sua inspiração foi na violência, construindo peças a partir de elementos como coletes e balas, e foi a partir das balas que Melk decidiu amenizar as coisas e criou uma estampa inspirada em jujubas, que deu super certo talvez pq tinha todo esse conceito por trás. A sensação da estilista Alessa (fotos 02 e 03) foi completamente outra, mas dessa vez diretamente ligada a paladar. Sua coleção de prêt-a-manger (pronto para comer) trazia acessórios comestíveis e estampas divertidas como uma salada de frutas de cristais murano e imagens repetidas de diversos pratos, dando água na boca não pra comer, mas sim pra comprar.

Fotos: Charles Naseh (Chic)





Fashion Rio: Começando por quem tá começando!

16 01 2009

Pra iniciar esse blog de uma vez por todas (mesmo sem um layout fechado), nada melhor do que essa época: acontecem agora as duas maiores semanas de moda desse nosso querido país (Fashion Rio e SãoPauloFashionWeek), então não faltarão coisas interessantes – ou não – para postar por aqui. Como dessa vez me encontro na parte ao norte do país e não poderei nem correr pelos corredores da Bienal trabalhando, ficarei por aqui gastando horas em fotos, vídeos e blogs por aí, querendo entender o que se passa nessas muitas mentes que desfilam, sejam elas criativas ou não.

Entrando nesse clima de “beginning”, nada melhor do que prestigiar quem também tá metendo a cara no mercado e nas passarelas, e o Fashion Rio sem dúvida é um evento que aposta em espaços para a nova geração, pois dentro do line-up do evento  já existem dois segmentos para novos criadores.

O primeiro segmento, intitulado de Novos Criadores, é formado por (4) marcas convidadas pelo próprio evento e que já parecerem ter uma estrutura mais organizada: são elas Koolture, Filhas de Gaia, Giulia Borges e Homem de Barro.

Já o segundo espaço, o Rio Moda Hype, citado como o evento mais importante de inclusão de novos talentos no Brasil pela revista-referências Collezioni, é um concurso com inscrições semestrais e que dá como prêmio um espaço para desfilar na semana do rio. Nesse evento são 12 marcas que fazem parte desse ótimo projeto criado por Fernando Molinari e Robert Guimarães, diretores do Inbracultmode (Instituto Brasileiro de Cultura, Moda e Design), nome atualmente por trás do blog Roda da Moda e da famosa Babilônia Feira Hype, o primeiro projeto da dupla e que é hoje a feira mais bacana do Rio e especializada em lançar novas marcas.

Mas sim, o que essas marcas todas mostraram afinal? Já que amanhã ainda tem Moda Hype, vamos por partes. No segmento do próprio FashionRio, a Koolture fez retrospectiva (?)(precisava?), as Filhas de Gaia viram uns vitrais de igreja mas não saíram do pastiche do pastiche-oitentista que para elas é ‘trangressão chic’ e a Homem de Barro pensou até bem na fofura contra a guerra, mas não empolgou.

Bom, quem se colocou mesmo foi a estilista Giulia Borges. Quando ouvi no “compacto” do GNT que a coleção era “índios vs. cowboys”, admito que achei um puta clichê, mas vendo o desfile rapidamente, senti que a coisa era interessante e coerente. Não sei se foi a trilha com um cover de “Heart it Races” (por Dr. Dog) do Architechture in Helsinki que descobri com ela, mas dei uma olhada no desfile completo e agora admito outra coisa: Giulia Borges sabe fazer uma coleção cool e bem amarrada.

Gosto muito das proporções, da construção de volumes, da modelagem bem trabalhada que varia entre amplos, retos e blusados, mas fica bem alinhada pela vontade de passar uma mensagem sólida. Acho que Giulia talvez exagerou nos brincos e acreditou em estampas similares e sem muita definição visual, mas acertou em cheio nos tricôs, na proporção de calça e short e no conjunto meia-listrada e bota, que pra mim é um dos sapatos mais bacanas desse inverno à carioca, apesar de Giulia Borges ser capixaba.

Foto Silvia Borello - erikapalomino.com.brFoto Marcio Madeira - fashionrio.com.br

Foto de Marcio MadeiraFoto de Marcio MadeiraFoto de Marcio MadeiraFoto de Marcio Madeira